A quem serve a notícia que liga as sondagens à recandidatura de Basílio Horta, em Sintra?

A nota publicada na última edição da revista “Sábado” (1), é um dos sintomas da desarmonia nas hostes socialistas em Sintra e a nível nacional, quanto à recandidatura de Basílio Horta. Como há meses assinalei, o actual Presidente nunca congregou o entusiasmo de muitos militantes que não colocaram o socialista na gaveta e que sempre se opuseram à sua indigitação. A estes, juntaram-se outros, descontentes com a governação autocrática, ao longo deste mandato, que teve como eixo central mais a acumulação de milhões no sistema bancário, e menos a resolução dos problemas das pessoas. Ultimamente, e na elaboração das listas, Basílio Horta “comprou” mais uma guerra, agora com os seus mais ferrenhos apoiantes.

recandidatura_sondagens

Neste caldo de conflitualidade e de jogo de forças que tem conhecido situações de grande tensão, ameaças e amuos, não é preciso ser pitonisa para não rejeitar a hipótese da notícia da “Sábado”, ter sido “plantada”. E, ao contrário de leituras apressadas que foram feitas, não pelos opositores à recandidatura, mas pelo sector “socialista” que apoiou a candidatura em 2013, o sector “socialista” que tem dominado nos últimos anos a concelhia, e que minou as candidaturas de João Soares e Ana Gomes. Ora o aparente paradoxo desta jogada, tipo “House of Cards” saloio, deriva não de garantias que o fundador do CDS(2) exige para se recandidatar, mas de uma vendetta do núcleo duro dos apoiantes de 2013, face à ordenação dos nomes da lista concorrente ao Executivo camarário.

O cruzamento de informações que circulam, mais ou menos, discretamente, indicam que Rui Pereira, e os seus indefectíveis, não se conformam por terem perdido o segundo lugar na lista, em detrimento, ao que parece, de Domingos Quintas. É que, mesmo que ganhe as eleições, Basílio Horta(BH) não cumprirá integralmente o mandato e aberta ficará “a janela de oportunidade” para Rui Pereira, finalmente, chegar à Presidência da Câmara de Sintra sem ter de disputar eleições – que ele sabe que nunca ganharia. Assim, mesmo que seja verdade o conteúdo da nota da revista “Sábado”, atendendo à reconhecida dificuldade de BH em conviver com as regras democráticas, e estar a criar um impasse para subir a parada negocial com o PS, nunca lhe interessaria a divulgação da mesma, por contribuir para desacreditar, ainda mais, a sua imagem de político em que a arrogância é inversamente proporcional à competência. Ficam então de pé as hipóteses de a “plantação” ter sido feita pelo Movimento Sintrenses com Marco Almeida e partidos que o apoiam, ou então ter vindo de “dentro” do PS. Diante destas duas possibilidades, uma leitura impressionista conduziria às forças do candidato independente. E foi apostando neste raciocínio do leitor/eleitor, que a manobra de diversão foi desenhada.

Numa primeira fase, será fácil soprar as suspeitas na direcção do adversário político, mas com o tempo, as inevitáveis fugas de informação e, essencialmente com a divulgação da lista, a claro ficará “a mão que embalou o berço”, provocou estragos na recandidatura de BH e inevitavelmente, deu mais dividendos à candidatura de Marco Almeida. Embora comparado com a ficção(?) da série “House of Cards”, a vida política em Sintra seja uma espécie de Lagoa Azul de tranquilidade, e comparado com Francis Underwood, Rui Pereira não passe de aspirante a menino do coro, é caso para dizer que esta gente não brinca-em-serviço e não perdoa.

 

 

João de Mello Alvim

 

 

(1)-Na mesma, escrevia-se que o autarca só se recandidatava se “houver sondagens que lhe apontem uma vitória inequívoca”.

 

(2)-Uma das razões da demora da divulgação da recandidatura, tem a ver com as negociação de Basílio Horta com o PS nacional tendo em vista uma promoção política, não num cargo que exija competência política democrática – que já provou não ter – , mas dentro do cardápio de sinecuras que o PS lhe poderá oferecer, no chamado “chuto para cima”.

 

Anúncios

Da confirmação do ditado popular, à jogada eleitoralista de Basílio Horta, em Sintra

 

Se é a saúde que está em causa, como não saudar o lançamento de concursos e o início da construção de renovados, ou novos, Centros de Saúde em Sintra? Mas o saudar e congratular com esta iniciativa, implica que se atribua, em exclusivo, os méritos ao PS/Basílio Horta? Naturalmente que não. Uma recessão deste malfadado processo, assim como o da construção do, já mítico, Hospital, implica responsabilidades, inoperâncias, meias-verdades e, muita falta de vontade política dos anteriores Executivos, tanto do PS como do PSD.

Novo Centro de Saúde Sintra

Identificadas há anos as carências do sistema de saúde em Sintra, tanto a nível dos Centros de Saúde como da ausência de um Hospital, o problema serviu para alimentar (uma das já clássicas) promessas eleitorais, transformou-se em arma de arremesso inter-partidário, e serviu para expandir os lucros económicos da rede de “saúde privada”. Tudo isto para desespero e incómodos de toda a ordem dos munícipes. E aqui não há inocentes, ou seja, tanto o PS como o PSD, e os outros partidos com quem se coligaram ou que aceitaram pelouros, não podem “sacudir a água do capote”. Se o PS/Basílio Horta aparece agora a reivindicar esta “obra”, como exemplo contrário ao dos “12 anos sem obra”, não só está a deturpar a realidade, como a tentar desresponsabilizar o PS neste processo.

Saudemos pois “a obra”, esperando, sinceramente, que o afã pré-eleitoral não venha a trazer problemas para outros resolverem, como é o caso do novo Centro de Saúde de Sintra, onde não me parece acautelado o sistema de acesso e estacionamento*, mas não deixemos branquear responsabilidades passadas. Assim como não deixemos de ter presente que estes novos Centros só servirão plenamente os cidadãos, se o Hospital de Sintra se transformar em realidade. E neste particular, como não sorrir à súbita magnanimidade de Basílio Horta quando este anuncia que, se for preciso, a Câmara custeia por inteiro a construção deste equipamento? Ou seja, coerente com a sua incoerência política, o actual Presidente, fundador do CDS e eleito, por indicação do PS, foi, adaptando o ditado popular, colocando a sua proverbial arrogância política entre as pernas e, em poucos meses (e já com mais de 70 milhões nos cofres dos bancos), passou da exigência e ameaça ao governo para que construísse o Hospital, do recuo de Hospital para Pólo Hospitalar, do contributo com a cedência dos terrenos e 20% do valor da construção, para o recente anúncio de que a Câmara pode pagar a totalidade da construção do novo Pólo Hospital*…Será esta uma jogada para convencer, internamente, os mais renitentes a apoiar a sua recandidatura? Ou é um dos trunfos que, neste mesmo blog referi, estão na manga para serem lançados ao ritmo da estratégia ditada pela campanha eleitoral?

 

João de Mello Alvim

 

 

 

*A construção do Centro de Saúde em Sintra, na Av. Desidério Cambournac, deixa adivinhar problemas com a fluidez do trânsito e com o estacionamento, já que o edifício fica “entalado”, entre a referida avenida e a linha do comboio (ver foto)

**http://www.cmjornal.pt/portugal/cidades/detalhe/camara-de-sintra-disponivel-para-pagar-novo-hospital

(Na foto, novo centro de Saúde de Sintra)

A cartilha de apropriação das candidaturas independentes, em Sintra

 

As recentes declarações de uma dirigente nacional do PS sobre a inclusão de militantes deste partido na lista do independente Rui Moreira, na sua recandidatura à Câmara do Porto, são um contributo claro para se perceber a forma como este partido encara as candidaturas independentes. Adaptadas à realidade sintrense e para quem tivesse dúvidas, foi um precioso, e inadvertido, contributo para se perceber um dos eixos da estratégia em relação à candidatura de Marco Almeida. Estamos perante uma cartilha eloquente para ser aplicada a nível nacional, especialmente nas autarquias onde a victória do PS está longe de estar garantida, como é o caso de Sintra.

cartilha 1

Numa entrevista ao jornal digital Observador, Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, à pergunta: “Na noite eleitoral, quando contabilizar os votos, vai contar os votos em Rui Moreira, no Porto, como votos no PS?”, respondeu “(…) Todas as vitórias dos candidatos do PS e das listas que o PS integra serão vitórias do PS”. E se qualquer dúvida existisse, a resposta seguinte pôs tudo em pratos limpos. “Portanto, contabilizará os votos de Rui Moreira como votos no PS?”. Resposta da Secretária- Geral Adjunta do PS: “Foi a aposta que o PS fez e por isso…”. Daí se concluir que para o PS, as candidaturas independentes não existem, ou são apenas uma espécie de testa-de-ferro dos partidos. As victórias nunca serão dos candidatos independentes, mesmo que estes se apoiem em movimentos com trabalho de anos no terreno, seja no Poder seja na oposição, como acontece em Sintra com o candidato Marco Almeida que, depois de ter lançado a sua candidatura, foi apoiado por forças partidárias, entre elas o PSD.

Diante respostas tão eloquentes, como as da dirigente do PS, que não é uma dirigente qualquer mas com elevadas responsabilidades na máquina partidária, já que é a  Coordenadora autárquica, será necessário fazer um desenho para se perceber que vem na mesma cartilha o slogan repetido à exaustão pelo PS/Basílio Horta em Sintra, e que liga a eventual victória de Marco Almeida, a uma victória do PSD  – o mesmo PSD, de Passos Coelho, que viabiliza a actual solução governativa e segura Basílio Horta na Presidência desde 2013? Será que é preciso fazer um desenho para perceber que, no caso de Sintra, o slogan ainda é mais cacofónico diante da desmotivação interna gerada por uma governação autocrática e errática, e pela imposição, a nível nacional,* da recandidatura de Basílio Horta, afastando assim a possibilidade de ser um socialista a encabeçar a lista do PS? Desmotivação que, pelos vistos, não é só local tendo em conta o ostracismo a que foi votado o fundador do CDS, na última Convenção Autárquica do PS…

 

 

João de Mello Alvim

 

* E com o suspiro de alívio do grupo congregado pelo actual presidente da concelhia e vereador do desporto…

(entrevista completa de Ana Catarina Mendes   http://observador.pt/especiais/ana-catarina-mendes-a-vitoria-de-rui-moreira-sera-uma-vitoria-do-ps/ )

 

A dessintonia entre partidos e movimentos cívicos, em Sintra

 

Um dos problemas capitais dos partidos, é o de não estarem, nem procurarem estar, sintonizados com os movimentos cívicos ou então insuflarem os seus próprios movimentos na ““abertura da caça ao voto”, para  melhor os controlarem e desactivarem “cumprida a missão”. São resquícios de anos e anos de falta de discussão política aberta e descomplexada que herdamos do antes do 25 de Abril, a que se somam os vícios claustrofóbicos e de formatação do pensamento e medos da perda de influência, que os aparelhos prescrevem e se certificam da sua aplicação.

Mas mais grave é quando, entidades organizadas de intervenção política eleitoral, que aparecem, ou dizem aparecer em ruptura com estas práticas herdeiras do “pensamento único e acção centralizada”, adoptam a mesma postura. Refiro-me nomeadamente aos movimentos independentes que se assumem como alternativas a anquilosadas práxis do exercício da política. Até podem inovar no sentido do organigrama interno, mas mantêm reservas para com iniciativas dos cidadãos que não sejam lançadas por militantes seus, independentemente das mesmas terem por objectivo a defesa do bem-estar das populações, e causas que dizem respeito a toda a comunidade. Os partidos e os movimentos de intervenção política eleitoral, não têm o monopólio da intervenção na Pólis, nem devem querer ter. Devem exercer as suas funções ditadas pela discussão interna (quando a há…), mas não podem encarar as actividades do movimento associativo, como marginais no pulsar da sociedade. É um erro político de palmatória, é uma limitação ideológica, é um encarar o cidadão apenas como eleitor, e negar-lhe os seus direitos de cidadania é, em última instância, uma atitude anti-democrática porque a democracia não esgota, nem pode esgotar-se, na acção dos partidos ou movimentos de cariz partidário.

Tudo isto a propósito da causa, em boa hora lançada e coordenada, pela Associação Alagamares, de contestação do polémico “e escandaloso abate de cerca de 1400 árvores no perímetro florestal da serra de Sintra em defesa”. Entre várias iniciativas, a Alagamares juntou, no passado dia 3 para um debate-ponto da situação, representantes da associação promotora e também, cito o comunicado resumo da reunião, “da Associação de Defesa do Património de Sintra, SintraPenaferrim, (Re)pensar Sintra, Sintra sem Herbicidas, Quercus, PAN, Bloco de Esquerda, PEV- Partido Ecologista Os Verdes, além de diversos cidadãos a título individual. Foram endereçados convites a todos os partidos políticos com representação parlamentar e municipal, bem como a diversas associações e personalidades, tendo comparecido os que puderam e quiseram”. Do espectro partidário estiveram então o PAN, o Bloco de Esquerda e os Verdes. E então o PS/Basílio Horta que dirige a autarquia e os “parceiros de acordo”, o PSD e a CDU? E o Movimento Sintrenses com Marco Almeida? Não estamos perante uma situação que exige a participação de todos os sintrenses, organizados, ou não, em partidos ou movimentos? E se há eleitos, com ou sem pelouros, que as estruturas partidárias  têm na Câmara, não seria uma altura ideal para os partilharem e esclarecer os presentes? Ou lá voltamos à dicotomia, castradora, de que “o que não é lançado, e controlado, por mim, é contra mim”?

 

João de Mello Alvim

imagem blog Delas